Percepções do Assédio Moral Corporativo

Yumara Lucia Vasconcelos, Edson Carneiro de Miranda, Breno Gustavo Valadares Lins, Maria José de Sena

Resumo


Resumo

Esta pesquisa foi instigada pela seguinte questão problematizante: de que maneira as pessoas percebem o assédio moral nas organizações? Complementarmente: qual a repercussão social do fenômeno? Assim, movida por essas reflexões, objetivou-se discutir a percepção da sociedade acerca do fenômeno do assédio moral no ambiente corporativo, a partir da análise de literatura e da pesquisa de campo empreendida. Especificamente, visou-se caracterizar o assédio moral nos ambientes corporativos, analisando as possíveis origens do problema e respectiva repercussão social. O estudo, de natureza qualitativa, exploratório-descritivo, tomou por base o levantamento de campo realizado junto a 100 trabalhadores, arguindo-os acerca das características do assédio moral, da definição de papéis na experiência observada ou vivenciada (assediador, assediado, expectador), das reações esboçadas, dos efeitos provocados pelo fenômeno e medidas consideradas eficazes na solução do problema. A investigação tem sua justificativa assentada na necessidade de monitorar a evolução e contornos do fenômeno. Como principal resultado, o estudo apresentou as formas de assédio percebidas por esses, impacto decorrente na vida das vítimas e possíveis medidas preventivas. As opções e narrativas desvelam cenários variados de violência no mundo do trabalho, ressonando significativamente na vida do trabalhador. As estratégias abrigadas pelo assédio moral foram variadas, explícitas e não explícitas, sinalização que reclama uma contextualização efetiva quando da formação do conjunto fático-probatório. Conduta lesiva à harmonia social, os impactos ressaltados no estudo perpassam o âmbito corporativo, atingindo as relações sociais em plano maior.

Palavras-chave: Assédio Moral. Dignidade. Organizações.

Abstract


This research was instigated by the following problematizing question: How do people perceive bullying in organizations? Complementarily: what is the social repercussion of the phenomenon? Thus, based on these reflections, the objective was to discuss the society perception about the moral harassment phenomenon in the corporate environment, based on literature analysis and field research undertaken. Specifically, it aimed to characterize moral harassment in corporate environments, analyzing the possible origins of the problem and its social repercussion. The qualitative, exploratory-descriptive study was based on a field survey of 100 workers, arguing about the characteristics of moral harassment, the definition of roles in the experience observed or lived (harasser, harassed,spectator). the outlined reactions , the effects caused by the phenomenon and measures considered effective in solving the problem. The investigation has its justification based on the need to monitor the evolution and contours of the phenomenon. As a main result, the study presented the perceived forms of harassment, the resulting impact on the victims’ lives and possible preventive measures. The options and narratives reveal varied scenarios of violence in the world of work, resonating significantly in the worker’s life. The strategies sheltered by bullying were varied, explicit and not explicit, signaling that demands an effective contextualization upon the formation of the factual-probatory set. Detrimental conduct to social harmony, the impacts highlighted in the study permeate the corporate sphere, reaching social relationships in a larger plane.

Keywords: Moral Harassment. Dignity. Organizations.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, D.P. Empresa humana ou humano empresa? GVexecutivo, v.10, n.1, 2011.

CASTRO, C.R.C. O que você precisa saber sobre assédio

moral nas relações de emprego: doutrina, jurisprudência e casos

concretos atuais. São Paulo: LTR, 2014.

CERQUEIRA, V.S. Assédio moral organizacional nos bancos.

São Paulo: LTR, 2015.

DALLENGRAVE JÚNIOR, J.A. Assédio sexual e moral:

conceito e alcance. In: DANTAS JÚNIOR, A. R. et al. Direito

individual do trabalho. Curitiba, PR: IESDE Brasil, 2012.

DONOSO, D.F.M. O direito à identidade pessoal e a atualidade

do pensamento de Carlos Fernandéz Sessarego. In: VILLATORE,

M.A.C.; ALMEIDA, R.S. (Org.). As aplicações do Direito de

personalidade ao Direito do Trabalho: questões polêmicas e

soluções políticas. Curitiba: Juruá Editora, 2013.

DAYNES, K.; FELLOWES, J. Como identificar um psicopata:

cuidado! Ele pode estar mais perto do que você imagina. São

Paulo: Cultrix, 2012.

DORFMAN, S. et al. Transtorno de personalidade narcisista.

In: CATALDO NETO A.; GAUER, G.J.C.; FURTADO, N. R.

(Org.). Psiquiatria para estudantes de medicina. Porto Alegre:

EDIPUCRS, 2003.

FISCHER, G.N. Espaço, identidade e organizações. In:

CHANLAT, J. (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões

esquecidas – volume II. São Paulo: Atlas, 1994.

FREIRE, P.A. O assédio moral como corolário dos sistemas

fordista / taylorista e toyotista e os danos à saúde mental do

trabalhador. Revista SJRJ, Rio de Janeiro, n.25, p.377-394, 2009.

GUIMARÃES, L.A.M.; RIMOLI, A.O. “Mobbing” (Assédio

Psicológico) no Trabalho: uma síndrome psicossocial multidimensional. Psicologia: Teoria e Pesquisa v.22, n.2, p.183-

, 2006.

HELOANI, R. Assédio moral: um ensaio sobre a expropriação da

dignidade no trabalho. ERA – Eletrônica, v.3, n.1, 2004.

HELOANI, R. A Dança da Garrafa: assédio moral nas

Organizações. GV-executivo, v. 10, n. 1, 2011.

HILAL, A.V.G. Dimensões e clusters de cultura organizacional:

de uma empresa brasileira com atuação internacional. Rio de

Janeiro: Mauad, 2003, 120-134p.

HIRIGOYEN, M. El acoso moral: el maltrato psicológico em la

vida cotidiana. Paris: La Découverte y Syros, 2013.

HIRIGOYEN, M. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio

moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

LEYMANN, H. Violence and Victims. Springer Publishing

Company, v.5, n.2, 1990.

ROJO, J. V.; CERVERA, A. M. Mobbing o acoso laboral.

Madrid: Editorial Tébar, 2005.

SARAIVA, L. A. S., IRIGARAY, H. A. R. Políticas de

diversidade nas organizações: uma questão de discurso? Revista

de Administração de Empresas, v. 49, n. 3, p. 337-348; 2009.

SROUR, R.H. Poder, cultura e ética nas organizações. São

Paulo: Elsevier, 2012.

VASCONCELOS, Y.L. Assédio moral nos ambientes

corporativos. Cad. EBAPE.BR, v.13, n.4, p.822-851, 2015.

VILELLA, F.G. Manual de Direito do Trabalho. São Paulo:

Elsevier, 2012, p.152-155.

ZABALA, I. P. Mobbing: como sobreviver ao assédio psicológico

no trabalho. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

PEDUZZI, Maria Cristina. Assédio moral. Rev. TST, Brasília, v..

, n. 2, abr/jun 2007




DOI: http://dx.doi.org/10.17921/2448-2129.2018v19n1p23-34

Apontamentos

  • Não há apontamentos.