Exercício Físico, Envelhecimento e Quedas em Idosos: Revisão Narrativa

Alexandre Arante Ubilla Vieira, Maria Rita Aprile, Célia Aparecida Paulino

Resumo


O envelhecimento é um processo que provoca modificações em vários sistemas biológicos, causando alterações funcionais e estruturais de forma progressiva. Por isso, a ocorrência de certas doenças é mais frequente em idosos, entre elas as vestibulopatias que, muitas vezes, resultam em sintomas como as tonturas, os desequilíbrios e os zumbidos. A tontura e o desequilíbrio, por exemplo, podem levar a quedas que resultam em fraturas, cujos impactos podem ser muito graves para a população idosa. Essas e outras doenças comprometem a saúde, como também a qualidade de vida e a sociabilidade dos indivíduos, acarretando dificuldades para o desenvolvimento de atividades da vida diária. Vários estudos apontam os inúmeros benefícios da prática regular de exercícios físicos, também para os idosos, incluindo as melhoras física, mental e psicossocial. Do ponto de vista do equilíbrio corporal, os melhores exercícios envolvem atividades de força muscular de membros superiores e inferiores, atividades aeróbias e exercícios de flexibilidade, funcionais e aqueles especificamente direcionados ao equilíbrio postural. Por sua vez, as fraturas decorrentes de quedas são responsáveis por altas taxas de hospitalizações e mortes acidentais em idosos. Além disso, a ocorrência de quedas pode gerar medo e redução da atividade geral, comprometendo a interação social e a qualidade de vida. Portanto, além de diminuir a ocorrência de osteoporose e outras comorbidades características do envelhecimento, a prática regular de exercícios físicos contribui para a manutenção do equilíbrio corporal, reduzindo a ocorrência de quedas e suas consequências e melhorando a mobilidade e a independência funcional dos idosos.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17921/2176-9524.2014v6n1p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.